A catapora em adultos e bebês

Catapora

A catapora está entre as cinco principais doenças comuns durante a infância. Infelizmente é uma doença bastante infecciosa e altamente transmissível, causada principalmente por um vírus. A catapora também é conhecida como “varicéola”. A sua transmissão ocorrem através de vias orais, gotículas de tosse e espirro ou mesmo pode ser transmitida pelo contato de pele por pessoas já infectadas.

Nas crianças a doença é conhecida popularmente como catapora, porém na fase mais adulta mais precisamente na velhice a mesma é conhecida por “zoster”, e o vírus pode digamos assim acometer as crianças ou mesmo os idosos dependendo do grau de contato com o infectado.

A catapora afeta o corpo através da faringe ou através dos olhos logo depois do primeiro contato de contaminação quando ocorre a infecção. Ou seja, o próprio vírus se espalha pela corrente sanguínea e após o período natural de incubação surgem às famosas feridas que permanecem no máximo duas semanas.

Essas pequenas erupções são o primeiro e verdadeiro sintoma característicos da própria catapora. Elas surgem no formato de pequenas bolinhas que são chamadas pápulas. A medida com que a doença avança, elas se torna inflamadas, e com isso passam a receber outro nome, as pústulas. É muito comum apresentar febre nessa fase, porém algumas pessoas não podem não apresentar tais sintomas febris.

A catapora também apresenta quadros de intensas coceiras, ardor, causando também muito incomodo nas pessoas, inclusive nas crianças. As feridas da catapora podem surgir pelo corpo todo, e em determinados casos podem até ser mais graves, afetando até mesmo o próprio cérebro e o pulmão. Quando a doença afeta as  pessoas na fase adulta, podem trazer complicações bem mais severas como pneumonia e/ou complicações renais.

Para que se possa identificar o tipo de vírus que afetou o paciente, o diagnóstico especificamente é efeito através dos anticorpos específicos ou mesmo através do próprio DNA do  próprio paciente infectado.

O tratamento mais comum da catapora em determinados casos podem ser realizados através de cuidados básicos, como por exemplo, corta as unhas de crianças, evitar contato com as demais pessoas que não estão com o vírus e antialérgicos (que também podem ser administrados seguindo as recomendações médicas). Em determinados casos nos quais o paciente esteja apresentando quadros de febre, o mesmo pode ser medicado com algum remédio especifico para febre, como o tylenol. Em pessoas acima de 12 anos, podem ser incluídos o medicamento aciclovir, neste caso recomenda-se o uso do medicamento exclusivamente se ficar evidente o agravamento dos sintomas ou mesmo se depois que houver alguma complicação maior da mesma (Sempre seguindo as recomendações de um especialista).

Entre as diversas complicações que a própria catapora pode ocasionar, são: desidratação e diarreia. Em determinados casos o infectado pode apresentar quadros de asma, podendo vir a se transformar num quadro de pneumonia (conforme mencionado), encefalite e problemas neurológicos.

Nas mulheres é bom, apesar de ser incerto, que a mesma pegue a catapora ainda quando criança, evitando assim problemas futuros. Principalmente durante a gestação, pois a doença poderá afetar tanto a mãe como o feto, resultando em pneumonia, parto prematuro e, alguns casos, até a morte da própria gestante.  O feto pode nascer com a zoster congênita. Por conta disso que mulheres grávidas devem evitar os ambientes com pessoas infectadas.